Homem vai ao dentista arrancar siso e tem mandíbula fraturada

Dois dentistas e uma clínica odontológica de Belo Horizonte (MG) foram condenados a pagar indenização de R$ 6 mil a um cliente que teve um dente e a mandíbula quebrada durante tratamento. Ele também foi ressarcido em R$ 2,5 mil por cirurgia corretiva da mandíbula.

A decisão é da juíza da 11ª Vara Cível de Belo Horizonte, Cláudia Aparecia Coimbra Alves.
 
Na ação proposta, o paciente conta que foi ao consultório para extrair o dente de siso. A dentista da clínica Cetrom lhe informou que a extração seria complicada e, durante o procedimento, quebrou um pedaço do seu dente. 
 
Ela enviou o paciente a outro especialista para que a extração fosse concluída, porém este realizou movimentos bruscos e quebrou sua mandíbula. 
 
Ele foi encaminhado então a um terceiro profissional, que realizou o tratamento adequado. Por fim disse que vive à base de comprimidos, não dorme nem come direito, além de não poder mais trabalhar.
 
A defesa dos dentistas alegou que eles não realizaram qualquer tratamento no homem, sendo a ação inválida por divergências de datas. 
Afirmaram também que observaram a possibilidade da extração do siso do paciente, porém não foi realizado o procedimento devido a complicações. Contestaram também a condição do paciente, pois além de não comprovar que trabalhava na época do fato, disseram que a lesão, por ser parcial, não o impedia de trabalhar.
 
A magistrada, em sua decisão, entendeu que a documentação apresentada pelo paciente e depoimentos legitimam os dentistas como partes na ação, além de comprovar a prestação de serviço odontológico. Com relação às datas divergentes, as radiografias foram suficientes para confirmar em que período o paciente teve o maxilar fraturado.
 
Os danos foram confirmados pelo relatório de cirurgia do autor e pelo depoimento de um dos dentistas, que ao analisar as radiografias confirmou que o paciente sofreu as lesões. "Apesar de todos os requeridos negarem que causaram dano ao autor, negando também que tivessem quebrado dente ou a mandíbula do requerente, certo é que existem fortes evidências nos autos que os requeridos são os responsáveis por tais incidentes", disse a juíza.
 
Foram acolhidos os pedidos de indenização por danos materiais e morais, mas o pedido de lucros cessantes não foi aceito, pois o paciente não comprovou vínculo empregatício ou apresentou atestado médico do tempo que ficou sem trabalhar. A decisão, por ser de Primeira Instância, está sujeita a recurso.
 
Órgão: TJ/MG

Número do Processo: 3037345-30.2006.8.13.0024

Fonte: site fato Notorio - www.fatonotorio.com.br

Canal Direto

Rua Afonso Celso n° 234/238 - Vila Mariana/SP - Cep: 04119-001
(011) 3895-7494
(011) 99935-4028 - Tim
robson@armg.adv.br
Desenvolvido por Webnode